PubhD Porto # 13- Filosofia, Educação e música ao vivo

Copy of indie band concert flyer template - Made with PosterMyWall

Advertisements

1º Aniversário PubhD Porto

No dia 24 de Janeirosoprámos a 1ª vela e lembramos quem fez este PubhD Porto até ao momento.

Iris Breda | Liliana Abreu | Mariana Barbosa | Ana Afonso | Joana Wilton | Paula Coelho | Pedro Figueira | Nuno Ribeiro | Bruno Ribeiro | Rui Alvites | Ivo Dias | Inês Coelho | Ricardo Ferraz | Raquel Pereira | Zenaida Mourão | Luísa Ferreira | Lucinda Bessa | João Paulo Guimarães | Álvaro Pinto | João Jesus | Pedro Coelho | Adryana Cordeiro | Diana Morais | Pedro Pestana | Iolanda Rocha | Kinga Grenga | Konstantinos Kotsalos | Helena Martins e, como convidada especial, a neurocientista Teresa Summavielle.

Fizemos ainda duas parcerias com a Associação Juvenil da Ciência e com a Inova + na Noite Europeia dos Investigadores.

Muito obrigada a todos!!!

 

E a sessão como foi?

Claudio Sunkel – Que futuro para a Ciência?

“Impressiona a resiliência dos cientistas portugueses”

Claudio Sunkel, vice-director do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S), abriu a 1ª Gala de Aniversário do PubhD Porto enfatizando o seu papel actual de gestor de ciência. O também docente de Biologia Molecular destacou alguns momentos chave do que aconteceu entre as universidades e centros de investigação, em Portugal, nas últimas décadas.

Realçando “alguma falta de estratégia futura”, o orador preferiu levantar questões que precisam de ser pensadas quando falamos do futuro da Ciência em Portugal. Sunkel frisou ainda que “quem faz Ciência a sério fá-lo a 100%, pelo que, definitivamente, tem de se deixar de pensar na Ciência como um hobby”. “Impressiona a resiliência dos cientistas portugueses”, acrescentou ainda o orador.

A questão controversa das políticas de financiamento da Ciência não deixaram de ser abordadas por Claudio Sunkel, para quem “o financiamento por fundos comunitários já não é a solução, mas um problema”. O orador deixou ainda uma pergunta em jeito de provocação: “Portugal quer ou não ter um sistema científico nacional?”

sunkel

Joel Cleto – Da Avenida dos Aliados ao Rivoli

No PubhD Porto revelou-se a Lenda da Fonte da Moura e desmistificou-se a lenda sobre a razão para a localização do edifício da Câmara Municipal da invicta.

cleto

João Lima – As Estrelas têm campos magnéticos?

João Lima, director do Centro de Astrofísica da Universidade do Porto, fez-nos subir às estrelas com uma apresentação bem dentro do ‘espírito’ PubhD Porto.
Com o cuidado de explicar primeiro o que são campos magnéticos com o uso de ímanes, o também docente no Departamento de Física e Astronomia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, confirmou que sim, as estrelas podem ter campos magnéticos muito intensos. Mas este é um campo difícil de estudar, pois os modelos teóricos actualmente utilizados para estudar a evolução estelar ainda não incluem o campo magnético como parâmetro.
O investigador deixou ainda alguns avisos e informações sobre a possibilidade de se ir a Marte, nomeadamente quanto à protecção dos astronautas.lima

Noite de Ciência num bar: reciclagem de fármacos, energia sustentável e sexologia

O próximo PubhD Porto é já no dia 30 de Novembro, a partir das 21h30 no bar Pinguim, e irá trazer ao público assuntos tão variados como química e engenharia sustentáveis e sexologia clínica. Ricardo Ferraz, professor na Escola Superior de Saúde do Politécnico do Porto, é licenciado e mestre em Química pela Universidade do Porto e doutorado em Química Sustentável pela Universidade Nova de Lisboa, onde desenvolveu uma tese sobre Líquidos aplicados a Fármacos, visando a reciclagem de fármacos que já não sejam eficazes e a optimização de propriedades desses compostos. Para além da Docência, Ricardo Ferraz é Investigador no Grupo REQUIMTE (Rede de Química e Tecnologia).  Tenta transmitir o gosto pela ciência, através da participação nos blogs Scientificus e no AstroPT e na organização das sessões de PubhD, evento público onde teses de doutoramento são expostas no ambiente informal de um bar.
Raquel Pereira é investigadora na equipa do SexLab – Grupo de Investigação em Sexualidade Humana, na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto (FPCEUP) – onde colabora com diversos estudos de natureza clínica e laboratorial na área da saúde sexual e disfunção erétil. Ao PubhD Porto vem explicar o seu doutoramento que visa conhecer e compreender a vivência sexual de pessoas com diversos tipos de incapacidade física. A psicóloga pretende melhorar o apoio prestado a estas pessoas para lidarem com os seus desafios a nível da sexualidade, com enfoque no aperfeiçoamento de estratégias cognitivas e afectivas.
Zenaida Mourão começou o seu percurso universitário pela Economia, enveredando depois pelo curso de Química na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP). Seguiu para o doutoramento num tema que pretendia caracterizar detalhadamente as estruturas de moléculas quase uma à uma. Um dia quis aprender um pouco mais sobre os impactos ambientais na sociedade humana actual, e por isso, ainda antes de terminar o doutoramento, começou um curso em Sistemas Sustentáveis de Energia na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP).

23795816_1537701172965455_1646909241488593005_n

 

O PubhD Porto tem uma frequência mensal, acontecendo sempre na última quinta-feira de cada mês, no Pinguim Café.
Mais informações:
https://www.facebook.com/PortoPubhd/ https://pubhdporto.wordpress.com/

PubhD Porto # 7 + 35º Encontro Internacional de Ciência

É um dois em um perfeito. A sétima edição do PubhD Porto vai juntar-se com a 35ª edição do Encontro Internacional de Ciência promovido pela Associação Juvenil de Ciência, já amanhã, dia 25 de Julho, pelas 21h30.

No palco, a apresentar as suas investigações, estarão o Pedro Figueira que já conheces com a sua caça aos planetas; a Helena Martins que nos vem dar boas dicas para a empregabilidade jovem e a renomada cientista Teresa Summavielle, com uma apresentação sobre neurobiologia e drogas.

Conhece um pouco mais os nossos oradores e amanhã não faltes!

Teresa Summavielle

Teresa Summavielle é uma das vozes mais ativas em Portugal no que respeita às drogas em adição. O seu doutoramento foi precisamente sobre as alterações no sistema nervoso mediante a exposição a drogas psicoestimulantes.  Licenciada em Bioquímica, a cientista é hoje chefe do grupo que investiga sobre Biologia de Adição, no Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S), que explora os mecanismos de neurotoxicidade induzida pela adição a drogas. A bióloga coordena ainda cursos sobre neurobiologia da adição em dois programas doutorais na Universidade do Porto e é professora convidada na Escola Superior de Tecnologias da Saúde do Porto (ESTSP-IPP). Tem também trabalhado em comunicação de ciência como instrumento para prevenção do abuso de drogas entre adolescentes.

teresa_summevielle
Teresa Summavielle: Neurobiologia e Adicção

Pedro Figueira

Pedro Figueira apresenta-se como um caçador de planetas. Na sua investigação, deteta e caracteriza planetas em torno de outras estrelas e desenvolve a instrumentação científica necessária para o fazer. Atualmente, é investigador pós-doutoramento no Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço. Pedro Figueira é licenciado em Física pela Universidade de Lisboa e doutorou-se em Astrofísica pela Universidade de Genebra. Participa regularmente em atividades de comunicação de Ciência.

pedro_figueira_pessoa_01 (1)
Pedro Figueira: Astrofísica 

Helena Martins

Helena Martins, 36 anos, docente no ensino superior, Licenciada em Psicologia, Mestre em Psicologia do Trabalho e Doutorada em Gestão. “Cães mais do que gatos”, “Neveiros mais que Santini”, “Cufra mais que Santiago”, “sombra mais do que sol”, “madrugadas mais que noitadas”. Acredita que o sentido da vida está nas relações que desenvolvemos com os outros em todos os contextos e nas ligações humanas que criamos (e assim se prova também a formação de base na área da Psicologia). Na sua investigação, na Faculdade de Economia do Porto, tenta perceber se existe nos trabalhadores vontade/necessidade de reciprocar o bom tratamento da organização em termos de produtividade, na área da Saúde.

 

Helena-Martins-200x200
Helena Martins: Psicologia e Recursos Humanos

 

Teresa Summavielle

Teresa Summavielle is one of the most active voices in Portugal regarding the Biology of drug addiction.  His doctorate was precisely on the changes in the nervous system through exposure to psychostimulant drugs. A graduate in biochemistry, the scientist is now head of the research group on Addiction Biology at the Institute of Research and Innovation in Health (i3S), which explores the mechanisms of neurotoxicity induced by addition to drugs. The biologist also coordinates courses on neurobiology of addition in two doctoral programs at the University of Porto and is a guest lecturer at the Higher School of Health Technologies of Porto (ESTSP-IPP). She has also worked in science communication as an instrument for drug abuse prevention among adolescents.

 

Pedro Figueira

Pedro Figueira presents himself as a hunter of planets. In his research, he detects and characterizes planets around other stars (exoplanets) and develops the scientific instrumentation necessary to do so. He is currently a postdoctoral researcher at the Institute of Astrophysics and Space Sciences. Pedro Figueira holds a degree in Physics from the University of Lisbon and a PhD in Astrophysics from the University of Geneva. He regularly participates in Science communication activities.

 

Helena Martins

Helena Martins, 36, teaching in higher education, Graduate in Psychology, Master in Work Psychology and PhD in Management. “Dogs more than cats”, “Snows more than Santini”, “Cufra more than Santiago”, “shade more than sun”, “dawns more than night”. She believes that the meaning of life is in the relationships we develop with others in all contexts and in the human connections that we create (and thus we also prove the basic formation in the core of ​​Psychology). In his research, at the Faculty of Economics of Porto, she tries to understand if there is a willingness / need of workers to reciprocate the good treatment of the organization in terms of productivity in the area of ​​Health.

 

6º PubhD Porto: o rescaldo

4.JPG

“Com a obesidade vem o aumento da prevalência do défice da vitamina D”, assegura-nos Adryana Cordeiro, nutricionista clínica e doutoranda na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP). Segundo explicou a oradora, no 6º PubhD Porto, que teve lugar a 29 de Junho, no Pinguim Café,existem vários factores que interferem no metabolismo da vitamina D: o estilo de vida que leva a uma menor exposição solar, a dieta (ainda que apenas 10% dos níveis de Vitamina D provenham da ingestão de alimentos), o comprometimento hepático (quantidade de gordura no fígado), o sequestro da vitamina D pelo tecido adiposo e a diluição volumétrica, ou seja, quanto maior o volume corporal, menor a concentração de vitamina D. No estudo realizado por Adryana Cordeiro, em que observou 240 pacientes com obesidade mórbida, 100% apresentava doença hepática alcoólica, 47% hipertensão e 81% síndrome metabólica.

1
Adryana Cordeiro, na sua esclarecedora comunicação sobre a relação entre a vitamina D e a obesidade.

Quanto à famosa questão de saber o que vem primeiro, a obesidade que aumenta o défice de vitamina D ou o défice que aumenta a obesidade, Adryana Cordeiro confirma que existe um “efeito directo nas melhorias metabólicas em doentes a quem é prescrita a suplementação com vitamina D”. Já a cirurgia bariátrica ajuda a reverter os processos inflamatórios. “Tendo obesidade, a probabilidade de ter défice de vitamina D aumenta muito e a obesidade leva a uma diminuição da concentração em vitamina D”, conclui a investigadora.

“A prestação de cuidados é o reverso da medalha da vinculação”

2
Diana Morais, psicóloga, doutoranda no ICBAS e docente no Instituto Politécnico de Viana do Castelo.

 

A vinculação, em Psicologia, refere-se a relações afectivas específicas que têm a função de garantir a segurança psicológica do indivíduo. Explica-nos Diana Morais, psicóloga e doutoranda no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS), que os sistemas de vinculação são inatos e que o estilo de vinculação adquirido na infância é o que se torna mais activo, podendo, porém, ser alterado, já que a “a vinculação é uma organização mental e comportamental que pode ser revertida”, por exemplo, em situações de abuso dos cuidadores. Já a prestação de cuidados é o reverso da medalha da vinculação na medida em na prestação de cuidados entre adultos, existe uma relação bidireccional entre a procura de cuidados e a prestação de cuidados em ritmos alternados. A literatura indica que a forma como uma pessoa presta cuidados aos outros está em directamente ligada com a própria história de vinculação na infância e com a forma como representa e percepciona a prestação de cuidados que teve enquanto criança e adulto (Feeney & Collins, 2001; Kunce & Shaver, 1994; Reizer & Mikulincer, 2007).

3.JPG
Pedro Pestana, terapeuta da fala, cantor e doutorando na Universidade Fernando Pessoa.

Cerca de 18% da população em geral apresenta alterações vocais. E foi motivado por esta realidade que Pedro Pestana, terapeuta da fala, resolveu estudar os fadistas, já que, entre os cantores, estes são sujeitos a uma uma exigência vocal diferente de outros artistas devido às suas condições de actuação. Pedro pestana defende a necessidade de as classes profissionais em maior risco e com mais prevalência de alterações na voz, como os professores e actores, recorrerem ao aconselhamento profissional a fim de obterem dicas e aprenderem técnicas simples que podem evitar estragos maiores no seu principal instrumento de trabalho.