PubhD Porto # 15

O último PubhD Porto antes da pausa de Verão está quase a chegar. E vamos ter uma sessão bem cheia e diversa, com Ciências da Educação, Química e Engenharia no menu.

Já tiveram a oportunidade de conhecer o Konstantinos Kotsalos na sessão do PubhD Porto que decorreu na Noite Europeia dos Investigadores de 2017. Agora ele tem mais novidades sobre o seu projecto e vem falar-nos do futuro das redes eléctricas inteligentes e como isso pode impactar o que sabemos sobre sistemas energéticos.
Do mesmo projecto, mas numa especialidade diferente, Nikolaos Sapountzoglou irá falar-nos sobre reconhecimento de falhas e de isolamento em sistemas de energias renováveis.

Ana Silveira de Moura, apaixonada por Física, investigadora em Química, professora e escritora em partes iguais, vem falar-nos de fenómenos catalíticos, nomeadamente associados a metais como o ouro.

Com o propósito de contribuir para a democratização da Escola Pública Portugesa, Daniela Ferreira vem explicar o seu doutoramento que analisa como é que o Professor contribui para a inclusão de crianças e jovens em situação de acolhimento residencial e num contexto de insucesso escolar.

35629273_1749727095096194_2392603530436280320_n

Advertisements

PubhD Porto # 14: Liberdade Religiosa e Doping em animais de competição

Até que ponto as minorias têm o seu direito à liberdade religiosa protegido pelo sistema legal de protecção europeu dos Direitos Humanos? Não podíamos ter tema mais premente por esta altura. Por isso, Inês Granja Costa, doutoranda na Universidade Católica Portuguesa, vem ao PubhD Porto mostrar como se pode contribuir para o desenvolvimento de políticas públicas nacionais e europeias assentes no equilíbrio social maioria/minorias e no respeito dos direitos humanos. E apostamos que ainda não tinha pensado que os pombos também podem ser dopados. Interessado na protecção da saúde dos animais e na veracidade dos resultados desportivos, Fernando Moreira, docente na Escola Superior de Saúde do Porto, técnico de farmácia e doutorando do Programa Doutoral em Ciências Forenses Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto, vem contar-nos como se pode identificar a presença de compostos dopantes em amostras de pombos de corrida.

 

cartaz

1º Aniversário PubhD Porto

No dia 24 de Janeirosoprámos a 1ª vela e lembramos quem fez este PubhD Porto até ao momento.

Iris Breda | Liliana Abreu | Mariana Barbosa | Ana Afonso | Joana Wilton | Paula Coelho | Pedro Figueira | Nuno Ribeiro | Bruno Ribeiro | Rui Alvites | Ivo Dias | Inês Coelho | Ricardo Ferraz | Raquel Pereira | Zenaida Mourão | Luísa Ferreira | Lucinda Bessa | João Paulo Guimarães | Álvaro Pinto | João Jesus | Pedro Coelho | Adryana Cordeiro | Diana Morais | Pedro Pestana | Iolanda Rocha | Kinga Grenga | Konstantinos Kotsalos | Helena Martins e, como convidada especial, a neurocientista Teresa Summavielle.

Fizemos ainda duas parcerias com a Associação Juvenil da Ciência e com a Inova + na Noite Europeia dos Investigadores.

Muito obrigada a todos!!!

 

E a sessão como foi?

Claudio Sunkel – Que futuro para a Ciência?

“Impressiona a resiliência dos cientistas portugueses”

Claudio Sunkel, vice-director do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (i3S), abriu a 1ª Gala de Aniversário do PubhD Porto enfatizando o seu papel actual de gestor de ciência. O também docente de Biologia Molecular destacou alguns momentos chave do que aconteceu entre as universidades e centros de investigação, em Portugal, nas últimas décadas.

Realçando “alguma falta de estratégia futura”, o orador preferiu levantar questões que precisam de ser pensadas quando falamos do futuro da Ciência em Portugal. Sunkel frisou ainda que “quem faz Ciência a sério fá-lo a 100%, pelo que, definitivamente, tem de se deixar de pensar na Ciência como um hobby”. “Impressiona a resiliência dos cientistas portugueses”, acrescentou ainda o orador.

A questão controversa das políticas de financiamento da Ciência não deixaram de ser abordadas por Claudio Sunkel, para quem “o financiamento por fundos comunitários já não é a solução, mas um problema”. O orador deixou ainda uma pergunta em jeito de provocação: “Portugal quer ou não ter um sistema científico nacional?”

sunkel

Joel Cleto – Da Avenida dos Aliados ao Rivoli

No PubhD Porto revelou-se a Lenda da Fonte da Moura e desmistificou-se a lenda sobre a razão para a localização do edifício da Câmara Municipal da invicta.

cleto

João Lima – As Estrelas têm campos magnéticos?

João Lima, director do Centro de Astrofísica da Universidade do Porto, fez-nos subir às estrelas com uma apresentação bem dentro do ‘espírito’ PubhD Porto.
Com o cuidado de explicar primeiro o que são campos magnéticos com o uso de ímanes, o também docente no Departamento de Física e Astronomia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, confirmou que sim, as estrelas podem ter campos magnéticos muito intensos. Mas este é um campo difícil de estudar, pois os modelos teóricos actualmente utilizados para estudar a evolução estelar ainda não incluem o campo magnético como parâmetro.
O investigador deixou ainda alguns avisos e informações sobre a possibilidade de se ir a Marte, nomeadamente quanto à protecção dos astronautas.lima

Noite de Ciência num bar: reciclagem de fármacos, energia sustentável e sexologia

O próximo PubhD Porto é já no dia 30 de Novembro, a partir das 21h30 no bar Pinguim, e irá trazer ao público assuntos tão variados como química e engenharia sustentáveis e sexologia clínica. Ricardo Ferraz, professor na Escola Superior de Saúde do Politécnico do Porto, é licenciado e mestre em Química pela Universidade do Porto e doutorado em Química Sustentável pela Universidade Nova de Lisboa, onde desenvolveu uma tese sobre Líquidos aplicados a Fármacos, visando a reciclagem de fármacos que já não sejam eficazes e a optimização de propriedades desses compostos. Para além da Docência, Ricardo Ferraz é Investigador no Grupo REQUIMTE (Rede de Química e Tecnologia).  Tenta transmitir o gosto pela ciência, através da participação nos blogs Scientificus e no AstroPT e na organização das sessões de PubhD, evento público onde teses de doutoramento são expostas no ambiente informal de um bar.
Raquel Pereira é investigadora na equipa do SexLab – Grupo de Investigação em Sexualidade Humana, na Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto (FPCEUP) – onde colabora com diversos estudos de natureza clínica e laboratorial na área da saúde sexual e disfunção erétil. Ao PubhD Porto vem explicar o seu doutoramento que visa conhecer e compreender a vivência sexual de pessoas com diversos tipos de incapacidade física. A psicóloga pretende melhorar o apoio prestado a estas pessoas para lidarem com os seus desafios a nível da sexualidade, com enfoque no aperfeiçoamento de estratégias cognitivas e afectivas.
Zenaida Mourão começou o seu percurso universitário pela Economia, enveredando depois pelo curso de Química na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP). Seguiu para o doutoramento num tema que pretendia caracterizar detalhadamente as estruturas de moléculas quase uma à uma. Um dia quis aprender um pouco mais sobre os impactos ambientais na sociedade humana actual, e por isso, ainda antes de terminar o doutoramento, começou um curso em Sistemas Sustentáveis de Energia na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP).

23795816_1537701172965455_1646909241488593005_n

 

O PubhD Porto tem uma frequência mensal, acontecendo sempre na última quinta-feira de cada mês, no Pinguim Café.
Mais informações:
https://www.facebook.com/PortoPubhd/ https://pubhdporto.wordpress.com/